A Jornada do herói – Parte 2

campbell-head-1

Joseph Campbell

Semana passada falamos da Jornada do herói de Joseph Campbell. Desta vez, ficaremos com O Paradigma de Vladmir Propp, que é semelhante.

Enquanto Campbell definiu a Jornada com base em contos de fadas, lendas e mitologias universais, Propp estudou os contos folclóricos russos, identificando, neles, os elementos básicos da narrativa. Esses elementos são apresentados em sua obra  Morfologia do Conto Maravilhoso.

Vamos a eles!

  1. DISTANCIAMENTO: um membro da família deixa o lar (o Herói é apresentado);
  2. PROIBIÇÃO: uma interdição é feita ao Herói (“não vá lá”/ “vá a este lugar”);
  3. INFRAÇÃO: a interdição é violada (o Vilão entra na história);
  4. INVESTIGAÇÃO: o Vilão faz uma tentativa de aproximação/reconhecimento (ou tenta encontrar os filhos, as joias, ou a vítima interroga o Vilão);
  5. DELAÇÃO: o Vilão consegue informação sobre a vítima;
  6. ARMADILHA: o Vilão tenta enganar a vítima para tomar posse dela ou de seus pertences (ou seus filhos); o Vilão está traiçoeiramente disfarçado para tentar ganhar confiança;
  7. CONIVÊNCIA: a vítima deixa-se enganar e acaba ajudando o inimigo involuntariamente;
  8. CULPA: o Vilão causa algum mal a um membro da família do Herói; alternativamente, um membro da família deseja ou sente falta de algo (poção mágica etc.);
  9. MEDIAÇÃO: o infortúnio ou a falta chegam ao conhecimento do Herói (ele é enviado a algum lugar, ouve pedidos de ajuda etc.);
  10. CONSENSO/CASTIGO: o Herói recebe uma sanção ou punição;
  11. PARTIDA DO HERÓI: o Herói sai de casa;
  12. SUBMISSÃO/PROVAÇÃO: o Herói é testado pelo Ajudante, preparado para seu aprendizado ou para receber a magia;
  13. REAÇÃO: o Herói reage ao teste (falha/passa, realiza algum feito etc.);
  14. FORNECIMENTO DE MAGIA: o Herói adquire magia ou poderes mágicos;
  15. TRANSFERÊNCIA: o Herói é transferido ou levado para perto do objeto de sua busca;
  16. CONFRONTO: o Herói e o Vilão se enfrentam em combate direto;
  17. HERÓI ASSINALADO: ganha uma cicatriz, ou marca, ou ferimento;
  18. VITÓRIA sobre o Antagonista;
  19. REMOÇÃO DO CASTIGO/CULPA: o infortúnio que o Vilão tinha provocado é desfeito;
  20. RETORNO DO HERÓI: (a maior parte da narrativas termina aqui, mas Propp identifica uma possível continuação);
  21. PERSEGUIÇÃO: o Herói é perseguido (ou sofre tentativa de assassinato);
  22. O HERÓI SE SALVA, ou é resgatado da perseguição;
  23. O HERÓI CHEGA INCÓGNITO EM CASA ou em outro país;
  24. PRETENSÃO DO FALSO HERÓI, que finge ser o Herói;
  25. PROVAÇÃO: ao Herói é imposto um dever difícil;
  26. EXECUÇÃO DO DEVER: o Herói é bem-sucedido;
  27. RECONHECIMENTO DO HERÓI (pela marca/cicatriz que recebeu);
  28. O Falso Herói é exposto/desmascarado;
  29. TRANSFIGURAÇÃO DO HERÓI;
  30. PUNIÇÃO DO ANTAGONISTA;
  31. NÚPCIAS DO HERÓI: o Herói se casa ou ascende ao trono.

vladimir_propp_1928

Vladimir Propp

 

Embora os contos de fada analisados por Propp não tivessem necessariamente todos as funções apresentadas acima, invariavelmente seguiam o sequência acima apresentada. Um conto de fadas poderia muito bem apenas conter os itens 3, 7, 8, 11 e 31 da lista.

E não para por aí, não! O russo não sossegou com esses itens e ainda descobriu sete tipos de personagens, de acordo com sua esfera de ação!

1ª Esfera – O Agressor – o que faz mal;
2ª Esfera – O Doador – o que dá o objeto mágico ao herói;
3ª Esfera – O Auxiliar – que ajuda o herói no seu percurso;
4ª Esfera – A Princesa e o Pai – não tem de ser obrigatoriamente o Rei;
5ª Esfera – O Mandador – aquele que manda;
6ª Esfera – O Herói;
7ª Esfera – O Falso Herói.

 

Ufa!

Pessoalmente, acho que Joseph Campbell, por se ater um material mais amplo, acabou percebendo um esquema mais enxuto e mais abrangente. O que não desmerece o trabalho de Vladimir Propp.

Só uma dica: não se prenda a nenhuma formulinha quando for escrever. É bom saber que ela existe, mas, ao fazer sua história, não pense em encaixá-la em todos os itens. Deixe o barco fluir. Acredite,  “colar” de esquemas preestabelecidos só vai deixar sua história fria e impessoal. Mesmo inconscientemente, o leitor vai perceber sua artimanha.

Um abraço a todos e um ótimo 2016!

Anúncios

Um comentário sobre “A Jornada do herói – Parte 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s